Não, isto não é um ranking sobre o melhor pôr-do-sol

Categoria

Atividades Fazer

Autor

Livraria Lello

Uma das perguntas mais frequentes que qualquer habitante de uma cidade vai certamente ouvir vinda de um visitante é: onde é que se vê o melhor pôr-do-sol da cidade. Esta questão assume especial importância quando falamos de cidades com uma geomorfologia acidentada, povoadas de colinas. A escala de gravidade do assunto sobe se falamos de cidades com rios e/ ou mar, praias. É um debate entre conterrâneos que nunca terá fim nem convida a consensos. São inúmeras as opções, as sensibilidades, os miradouros, os jardins e parques, as margens. Não queremos entrar na guerra dos rankings nem pretendemos evangelizar ninguém mas… fica o desafio para encontrarem nos Jardins do Palácio de Cristal o espaço entre a copa de algumas árvores em que se avista o Rio Douro e a Ponte da Arrábida, o sol a esconder-se na foz, lá bem fundo no mar. Se não ficar convencido, há sempre o plano alternativo, dar um passeio por estes 11 hectares de espaços verdes disponíveis todos os dias a partir das oito da manhã, sentar-se num dos bancos a ler um livro. O arquitecto paisagista berlinense Émile David (Berlim, 1839 – Porto, 1873) projectou os jardins, Edgar Cardoso ofereceu-nos a ponte, nós fazemos a sugestão, a experiência será sua e não entra em competição com a de mais ninguém.