As igrejas míticas do Porto: 6 paragens obrigatórias

Já visitou as igrejas míticas do Porto?

O Porto têm uma lista (quase) interminável de Igrejas e capelas. E sim, todas merecem uma visita, não só pela importância do seu património histórico, mas também pela sua beleza e calma, muitas vezes em zonas agitadas da cidade. Por isso mesmo, fazem parte da lista de igrejas míticas do Porto.

Igreja da Misericórdia

Igrejas míticas do Porto

A Santa Casa da Misericórdia do Porto nasceu em 1502, pela recomendação de D. Manuel I. Inicialmente a Santa Casa foi instalada na Capela de São Tiago, na Sé do Porto, mas foi transferida para a Rua das Flores em 1559. A Igreja da Misericórdia foi benzida em 1559 mas a sua capela-mor só foi construída em 1584. Depois de um período de abandono, em pleno século XVIII volta a ser reconstruída, com mão de Nicolau Nasoni em 1748, responsável pelas obras na Sé Catedral. O seu interior está repleto de azulejos azuis e brancos e o ex-líbris desta igreja mítica do Porto é o órgão do segundo andar – muito por causa da vista para toda a igreja.

Igreja do Carmo

Igrejas míticas do Porto

A construção da Igreja do Carmo ficou a cargo de José Figueiredo Seixas, entre 1750 e 1768. Apesar de muita gente nunca ter entrado nesta Igreja, na Praça Carlos Alberto, quase todos os portuenses a conhecem pelo seu exterior, coberto de azulejos de 1912, desenhados por Silvestro Silvestri, que mostram a fundação da Ordem das Carmelitas. Na fachada estão duas esculturas, de Elias e Eliseu e o interior ganhou fama graças à talha dourada das capelas laterais e do altar-mor.

Igreja de São Francisco

Igrejas míticas do Porto

A Igreja de São Francisco é, possivelmente, a igreja com vista mais privilegiada sobre o rio Douro. Esta igreja gótica foi construída no século XIV e fazia parte de um convento franciscano. As estrelas da igreja são as esculturas barrocas em madeira e, claro, a Árvore de Jessé, a obra que mostra a árvore genealógica de Jesus Cristo. A peça é de Felipe da Silva e António Gomes e data de 1718/21. A melhor parte é que as catacumbas desta igreja mítica do Porto (na Rua Infante Dom Henrique) são visitáveis.

Igreja e Torre dos Clérigos

Igrejas míticas do Porto

Em pleno Património Cultural da Humanidade, a Baixa, encontram-se a Igreja e a Torre dos Clérigos. A torre mais alta do país conta com seis andares e 75 metros de altura e são precisos 225 degraus para ter acesso a uma das paisagens mais bonitas sobre o Porto, desde a baixa até à Foz, sempre com o rio Douro como pano de fundo. O projeto arquitetónico ficou, em 1754, quando começou a ser construída, a cargo do italiano Nicolau Nasoni. A Igreja é uma das mais visitadas da cidade e é o resultado dos esforços da Irmandade dos Clérigos, uma mistura de três instituições (a Confraria dos Pobres de Nossa Senhora da Misericórdia, a Irmandade de São Filipe de Nery e a Confraria dos Clérigos de São Pedro).

Sé Catedral

Igrejas míticas do Porto

A Sé Catedral do Porto é do estilo românico e foi construída no século XII. Mais tarde foi construída a torre-lanterna e a grande rosácea que a caracteriza. A capela-mor ficou pronta no século XVIII e o portal rocócó da fachada foi projetado por Nicolau Nasoni em 1736. Vale nem a pena a visita pela paisagem que oferece, de uma zona mais alta da cidade e pela beleza exterior e interior da Sé. Além disso ainda se celebram aqui missas.

Capela das Almas

Igrejas míticas do Porto

Em plena Rua de Santa Catarina há uma capela que faz parar muita gente – turistas e locais. A Capela das Almas é só século XVIII e a sua característica mais diferenciadora é o revestimento de azulejos de Eduardo Leite. Cobrem uma superfície que ronda os 360 metros quadrados e mostram a vida de São Francisco de Assis e de Santa Catarina. Além disso, há ainda um vitral na fachada que chama muitos curiosos.